Abertura   Editorial   Colunistas   Contato  
 
     
 
 
   
  PSICANALISTA
POLÍTICO
  BOATOS E
FAKE NEWS
  RESENHAS
LITERÁRIAS
  FUTEBOL
DE VÁRZEA
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  DIVULGAÇÃO
CIENTÍFICA
 
 
 

 

Blog Divulgação Científica
por Lucas Bulhões


Lucas Bulhões é graduando em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense. Carioca, ávido consumidor de conteúdo audiovisual e ansiosamente curioso.






Cientista brasileiro descobre bactérias que podem ser usadas para combater o câncer
Por: Lucas Bulhões em 13/12/2018

Durante uma viagem para a Antártida, iniciada em 2014 para estudar bactérias em Gramíneas locais, o pesquisador Leonardo José Silva, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queirz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), descobriu que várias dessas são produtoras de compostos capazes de impedirem o crescimento de diversas doenças: como o câncer.

Segundo dados da BBC Brasil, os compostos podem ser usados para impedir o glioma - um tipo de câncer no cérebro e na medula espinhal, tumores no pulmão e na mama. O cientista fez sua descoberta na Ilha do Rei Jorge, para onde foi com um grupo de outros 14 pesquisadores brasileiros. Por se tratar de uma região inóspita, o local concilia fatores importantes para o estabelecimento de vias metabólicas inusitadas, como, por exemplo, condições ambientais extremas, baixo fluxo gênico, espécies endêmicas (que só existem lá) e pouca influência humana, o que pode ter influenciado positivamente para a proliferação desses compostos, segundo informações do G1.

A pesquisa fez parte da tese de doutorado de Silva, e contou com o suporte financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E com seus resultados, se insere em um contexto no qual, com a descoberta será possível realizar testes e investimentos na identificação da atividade dos compostos de células cancerígenas e criar medicamentos para detê-las.

Porém, seu trabalho está longe de terminar, pois segundo o pesquisador, essa foi a apenas a primeira de diversas linhagens de gramíneas estudadas por ele e seu grupo, que podem estar cada vez mais perto de revolucionar a ciência mundial.











Post posterior
Mais um ponto para a ciência: transplante de células tronco e aulas de canto prometem melhora nas funções motoras de pacientes com Parkinson
 
Post anterior
A misoginia na ciência: Por que poucas mulheres conquistam o Prêmio Nobel?




 



Psicanalista Político
Boatos e Fake News
Resenhas Literárias
Futebol de Várzea
Opinião dos Parceiros
Divulgação Científica
 

Abertura
Editorial
Colunistas
Contato