Abertura   Editorial   Colunistas   Contato  
 
     
 
 
   
  PSICANALISTA
POLÍTICO
  BOATOS E
FAKE NEWS
  RESENHAS
LITERÁRIAS
  FUTEBOL
DE VÁRZEA
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  DIVULGAÇÃO
CIENTÍFICA
 
 
 

 

Blog Resenhas Literárias
por Danielle Alvarenga


Danielle Alvarenga cursa o segundo período de Jornalismo na Universidade Federal Fluminense.






Livro: Veronika decide morrer. Autor: Paulo Coelho
Por: Danielle Alvarenga em 05/12/2018

As histórias sobre hospícios são sempre cercadas de um imaginário depreciativo, descrevendo o local como apenas uma forma de se livrar de pessoas diferentes ou que incomodam a família. Contudo, em “Veronika decide morrer”, o autor Paulo Coelho escreve a experiência de maneira diferenciada. A trama é iniciada com a personagem principal, Veronika, tentando cometer suicídio após perceber que sua vida passou por ela de forma descontrolada e, portanto, não condiz com seus verdadeiros sonhos e vontades.

A moça é salva e acorda em um sanatório na Eslovênia. Logo ao despertar, Veronika é informada que possui pouco tempo de vida, e, com essa notícia, a personagem percebe aos poucos uma vontade interior de viver. Então, ela passa a conviver com as pessoas que habitam o hospício: médicos, pacientes que receberam alta e decidiram permanecer ali e pacientes ainda em tratamento. Dois deles se destacam na história por se aproximarem da moça: Edward, menino colocado no sanatório pelos pais por querer ser artista, mas os pais serem contra; e Mari, uma mulher internada com síndrome do pânico que, mesmo já tendo terminado o tratamento, opta por continuar no hospício.

A obra de Paulo Coelho descreve um ambiente já tão bem construído em nossas imaginações de forma diferente. Durante toda a trama, o autor questiona os limites entre normalidade e loucura. Indaga através das experiências dos personagens quem ou o que define a diferença entre o normal e o louco. Além disso, demonstra também as amarras elaboradas pela sociedade que nos tornam prisioneiros de padrões comportamentais, os quais trazem a dificuldade de sermos quem queremos ser e expandir nossos horizontes com diferentes experiências.

Outro diferencial na obra é a aproximação do autor com o tema. Paulo Coelho relata, no fim do livro, que foi internado três vezes. Sua experiência não só o inspirou como também fez com que percebesse a necessidade de relatar as situações vividas por ele. Porém, opta por escrever de forma literária por não querer machucar os sentimentos dos pais, que foram os responsáveis por colocá-lo no hospício.

O livro nos inspira a olhar a realidade com nossos próprios olhos, sem depender das pressões da sociedade. Renova nossas vontades de viver de forma livre, assim como ocorre com Veronika. Ao final da leitura, percebemos não só a necessidade de se ter hospícios preparados para lidar com os diferentes pacientes, como também a importância de tomar as rédeas da própria existência, sem depender das avaliações externas. Paulo Coelho descreve em “Veronika decide morrer” como resistir.











Post posterior
Livro: Ainda estou aqui - Autor: Marcelo Rubens Paiva
 
Post anterior
Livro: O mistério das bolas de gude: Histórias de humanos quase invisíveis - Autor: Gilberto Dimenstein




 



Psicanalista Político
Boatos e Fake News
Resenhas Literárias
Futebol de Várzea
Opinião dos Parceiros
Divulgação Científica
 

Abertura
Editorial
Colunistas
Contato