Abertura   Editorial   Colunistas   Contato  
 
     
 
 
   
  PSICANALISTA
POLÍTICO
  BOATOS E
FAKE NEWS
  RESENHAS
LITERÁRIAS
  FUTEBOL
DE VÁRZEA
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  DIVULGAÇÃO
CIENTÍFICA
 
 
 

 

Blog Futebol de Várzea
por Felipe Rebeque


Felipe Rebeque é graduando em jornalismo na Universidade Federal Fluminense. Carioca. Flamenguista. Respira esporte. Amantes de piadas ruins e sempre disposto a escrever diversas coisas.






O Rugby no Brasil
Por: Felipe Rebeque em 19/09/2018

A bola oval está substituindo a redondinha em alguns gramados no Brasil.

Uma grande parte dos brasileiros sonha em ser jogadores de futebol, ter a fama de grandes celebridades, ganhar milhões e morar nas principais cidades da Europa. Mas, por outro lado, há um pequeno número de pessoas que não têm o sonho de seguir o futebol, mas sim, outros esportes, que não tem muito sucesso e privilégios a oferecer. Decidem seguir esse caminho por amor ao esporte, e, muitas vezes, por tradições familiares.

Esse é o caso do David Grael, morador de Niterói, jogador do Niterói Rugby, treinador das categorias de base do time da “cidade sorriso”, com passagens pela Seleção Brasileira de Rugby. David conta que, infelizmente, não vive do Rugby ainda, apesar do esporte estar em um processo de profissionalização. Mas que alguns jogadores já recebem uma bolsa atleta, e levam uma vida de dedicação total.

O esporte da bola oval vem conquistando milhares de adeptos nesses anos, principalmente após as olimpíadas. Segundo o site Worlrugby.org, o Brasil está entre os países lideres do crescimento do esporte no mundo. A CBRu- Confederação Brasileira de Rugby é o órgão máximo do Rugby no Brasil, e o seu principal objetivo é tornar-se uma potência internacional e um dos principais esportes do Brasil até 2030, prezando e transmitindo os valores do Rugby.




Breve relato do Rugby no Brasil

O Rugby nasceu na Inglaterra e chegou ao Brasil na mesma época em que o futebol, mas não fez tanto sucesso quanto ao esporte que é a maior paixão do Brasileiro. Mas, em 1920 o esporte começou a ser jogado com maior frequência, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo.

Atualmente, o Rugby tem ganhado uma grande proporção de telespectadores e de jogadores, graças à internet e a televisão, que transmitem os jogos fazendo com que as pessoas se aproximem e acabem se interessando a cada dia mais pelo esporte da bola oval.


Niterói Rugby Football Clube – breve relato da sua história

É impossível falar sobre o Rugby no Brasil e não contar sobre um dos times mais tradicionais do país. A história do “Nikiti”, como é carinhosamente apelidado, é bastante interessante e fundamental para o crescimento do próprio esporte dentro do Brasil.

Até 1973 o Rio de Janeiro era representado pela Associação Atlética do Rio Cricket, equipe formada por jogadores de Petrópolis, do Rio de Janeiro e da própria cidade de Niterói. Era composto também por vários jogadores de origem britânica.

O time era muito bom, mas, na maioria das vezes, a equipe ia desfalcada para as viagens, devido à dificuldade de logísticas de alguns jogadores. Então, insatisfeitos com as derrotas, os jogadores que moravam em Niterói decidiram criar um time próprio da cidade sorriso.

Em seu primeiro ano, o Niterói conseguiu o acesso, e de forma invicta se sagrou campeão da série B do Rugby. No ano seguinte, estreou na divisão de elite do país, ficando em terceiro lugar, surpreendendo a todos. Em 1976, sagrou-se campeão da primeira divisão, o principal campeonato de Rugby do país. O clube ainda ganhou mais cinco títulos e se colocou em um patamar elevado do Rugby Nacional. O Niterói Rugby é um dos clubes mais importantes e tradicionais do Brasil.


Fala, jogador!

David Grael contou um pouco mais sobre o Rugby e da vida dele dentro do esporte, no qual a paixão vem desde o Berço com sua família.

O Brasil é conhecido como o país do futebol, o que levou você a ir para o Rugby?

"Eu entrei para o Rugby devido ao meu pai ter sido jogador do Niterói Rugby também, na década de 70 e 80, e antes de conhecer o Niterói eu já aprendi o Rugby em casa com meu pai. Os valores do esporte são enormes para a gente."

A confederação Brasileira de Rugby tem como objetivo chegar em 2030 como uma potência Internacional no esporte, você acha que da pra chegar nesse objetivo antes do prazo? Pois está acontecendo um grande crescimento do esporte no Brasil cada vez mais.

“Eu acredito que é uma meta bastante ambiciosa, tendo visto que, no mundo a fora o Rugby continua evoluindo, com jogadores mais fortes, mais potentes e técnicas mais avançadas. Mas acredito que se o Brasil mantiver o crescimento do esporte no país da maneira que vem acontecendo desde 2015 - 2014, a partir do momento em que o Rugby entrou como um jogo olímpico, se a confederação continuar desenvolvendo o esporte no país dessa maneira, é possível que a gente consiga bater de frente com as grandes potências mais pra frente."

Qual a maior dificuldade que você passou dentro do esporte no Brasil?

“Na minha primeira convocação para a seleção Juvenil, em 2006-2007, a gente jogou o campeonato sul americano e fizemos uma "gira" pela Argentina, e tudo foi custeado com o nosso próprio bolso. Nos tivemos que pagar o uniforme, material, alimentação, estadia. Essa foi a época mais difícil do Rugby no Brasil, tanto a nível internacional, quanto a nível nacional, onde nós pagavamos inscrição de campeonatos, viagens...Isso ainda continua acontecendo, o Rugby ainda é um esporte amador no Brasil."

Qual o seu maior sonho dentro do esporte?

“Dentro do Rugby, o meu sonho sempre foi vestir a camisa do Brasil, representar o meu país. Eu acho que o jogador de Rugby sonha sempre com o próximo jogo, no que iremos executar, no que iremos fazer. Tive momentos maravilhoso jogando pelo Niterói e pela seleção, principalmente pelo Niterói quando nos vencemos a tapa Tupi e alguns campeonatos estaduais, foi muito bacana para mim..."

“... Em 2015 foi muito bacana o que nos conseguimos realizar, que foi ser campeão da taça Tupi, conseguir ser o maior pontuador do campeonato, isso foi uma grande vitória pra mim, um sonho quase que realizado. Mas o que eu vejo do Rugby é uma ferramenta fantástica para a gente conseguir passar os valores do esporte: de lealdade, de humildade e de respeito. É o que a gente precisamos fazer é tirar do campo e levar para a sociedade. Se o mundo fosse mais Rugby, o mundo seria melhor."

Qual a expectativa do Niterói pra temporada?

“Nossa meta em 2018 é se manter entre os grandes times do Brasil, disputando o campeonato Brasileiro e vamos buscar mais vitórias no circuito nacional de sevens, que deve acontecer no final de 2018 e no início de 2019, que é o Rugby que é disputado nas olimpíadas e no qual nos somos os atuais campeões estaduais...”

“... O Niterói Rugby tem desenvolvido atualmente muito nas categorias de base, a gente tem visitado escolas, desenvolvendo projetos de massificação na base, precisamos ter mais crianças jogando Rugby mais cedo, para a gente conseguir obter mais resultados no futuro. Basicamente, esse tem sido o foco do clube nos últimos anos, estamos buscando desenvolver a base do clube para colher frutos mais pra frente.”











   
Post anterior
ATENAS FC: Um time de comprometimento, amor, sonhos e pouco amadorismo




 



Psicanalista Político
Boatos e Fake News
Resenhas Literárias
Futebol de Várzea
Opinião dos Parceiros
Divulgação Científica
 

Abertura
Editorial
Colunistas
Contato