Abertura   Editorial   Colunistas   Newsletter   Contato  
 
         
 
 
   
  ARTE E
CIÊNCIA
  LITERATURA
E POLÍTICA
  BASTIDORES
DO PODER
  REPORTAGENS
E ENTREVISTAS
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  ENTRELINHAS
DE BRASÍLIA
  MEMES E
CHARGES
  VÍDEOS E
CURTAS
  LIVROS E
ARTIGOS
 
 
 

 

Blog Literatura e Política
por Felipe Pena


Felipe Pena é jornalista, psicólogo, roteirista e professor da UFF.

Doutor em literatura pela PUC, com pós-doutorado em semiologia pela Sorbonne, é autor de 15 livros e diretor do documentário "Se essa Vila não fosse minha". Visiting Scholar na New York University.

Foi sub-reitor da Universidade Estácio de Sá entre 1999 e 2004 e comentarista do Estúdio I, na Globonews, entre 2013 e 2015.

Escreve semanalmente no Jornal Extra.






Michel Temer tem moral para enquadrar o general Mourão?
Por: Felipe Pena em 28/09/2017


A história começa assim:

Um general que se chama Mourão afirma que seus companheiros do Alto Comando do Exército admitem a possibilidade de uma intervenção militar no país. Ele está na ativa, define-se como eterno integrante da inteligência e, repito, se chama Mourão.

Não, amigos, o ano não é 1964.

Não há tropas descendo a serra em direção ao Rio de Janeiro, não há marchas da família com Deus pela propriedade e ninguém mais acredita no perigo daquela gente que come criancinha.

Espere.

Vamos recapitular.

Um general que se chama Mourão acha que a intervenção militar é constitucional e poderá ocorrer caso o problema político não seja resolvido pelo judiciário.

Mas não estamos em 1964.

Não há defensores da luta armada, não há marchas da classe média vestida de amarelo atrás de um pato e todo mundo está feliz com o governo.

Pausa.

Um general que se chama Mourão diz que o exército tem planejamentos bem feitos para uma intervenção militar e que ela poderá ocorrer após "aproximações sucessivas".

Não perguntem o que são aproximações sucessivas.

Não estamos em 1964.

Um general que se chama Mourão falou para a maçonaria e recebeu aplausos. Não foi o Olímpio Mourão, foi o Antonio Mourão. Não está em Minas, está em Brasília. Não é comandante da tropa, é secretário de finanças, um cargo meramente administrativo. Mas, ainda assim, deveria ser advertido.

E é aí que está o problema.

Um general que se chama Mourão tem um comandante-em-chefe. Mas o comandante-em-chefe do general que se chama Mourão se chama Michel Temer. E o Michel, vocês sabem, né?

Quem chega ao poder através de um golpe não tem moral para admoestar o subordinado que fala em golpe. Quem se reúne com ministro do STF na calada da noite para manter um golpe não pode reclamar de outro golpe. Quem compra deputados para não ser julgado por seus crimes não pode denunciar uma conspiração maçônica para dar um golpe.

Entenderam a porteira que foi aberta com a quebra constitucional do impeachment? Entenderam o legado das marchas? Entenderam o pato amarelo?

Quem rasga constituições, queima instituições. E, agora, todos nós estamos na fogueira.

Vivemos entre as malas de dinheiro do Geddel, as manipulações do Moreira no Congresso, as mulas do Padilha no Planalto e as ameaças do Aécio, aquele que escolheu a própria mula, o primo, alguém que ele manda matar antes de fazer a delação. Tudo avalizado pelo Michel, o Temer, denunciado criminalmente três vezes no exercício do mais alto cargo do país.

Que nação suportaria esse destino humilhante?

Que nação suportaria a ideia de entregar sua maior floresta para a exploração privada?

Que nação suportaria a venda de imensos territórios de suas fronteiras para estrangeiros?

O problema não é o general que se chama Mourão.

O problema não é a maçonaria.

O problema não é o exército, cujas pautas nacionalistas estão muito próximas das reinvindicações da centro-esquerda do que do entreguismo da neodireita.

Não estamos em 1964.

Quem conhece o perfil contemporâneo da tropa sabe que os militares atuam com profissionalismo e respeito à legalidade. Já estive lá dentro, vivenciei a rotina dos quartéis, conheci seus oficiais. Fui treinado para atuar como jornalista em áreas de conflito por coronéis, majores, capitães e tenentes responsáveis, comprometidos com a estabilidade do país. São pessoas sérias, forjadas na dificuldade e com experiências internacionais de êxito, como é o caso do Haiti.

O golpe já aconteceu e não veio da caserna.

O general que se chama Mourão foi claramente insubordinado, mas não está conspirando para golpear as instituições.

Não se golpeia o que não existe mais.








Post posterior
PSDB assinou seu atestado de óbito
 
Post anterior
A apatia seletiva é o espírito do nosso tempo




 



Arte e Ciência
Literatura e Política
Bastidores do Poder
Reportagens e Entrevistas
Opinião dos Parceiros
Entrelinhas de Brasília
Memes e Charges
Vídeos e Curtas
Livros e Artigos

 

Abertura
Editorial
Colunistas
Newsletter
Contato