Abertura   Editorial   Colunistas   Contato  
 
     
 
 
   
  PSICANALISTA
POLÍTICO
  BOATOS E
FAKE NEWS
  RESENHAS
LITERÁRIAS
  FUTEBOL
DE VÁRZEA
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  DIVULGAÇÃO
CIENTÍFICA
 
 
 

 

Blog Resenhas Literárias
por Thalita Bastos


Thalita Bastos é aluna pela Universidade Federal Fluminense (UFF), cursando Jornalismo. Feminista negra e vegetariana. Curiosa, ama conhecer novos lugares e histórias.






Livro: Pelas Cortinas da Idade - Autor: Flávio Cesar de Carvalho Bastos
Por: Thalita Bastos em 05/10/2018

“Que seja bom enquanto dure!”

O livro Pelas cortinas da idade retrata um período da vida do próprio autor Flávio Cesar, que utiliza o codinome Emmanuel na história para se representar.

Emmanuel sonha em encontrar sua alma gêmea, porém por muitos anos não encontra esse amor tão desejado nas mulheres de sua idade e, disposto a encontrá-la, se abre para o novo, se permitindo quem sabe gostar de uma mulher mais velha que o faça realizar seu desejo de vivenciar o amor. Como se estivesse traçado em seu destino, em uma noite de baile em um clube, conhece ela: Cândida, uma bela mulher. Logo, ele se aproxima, conversam, pega o número do seu telefone e é aí que tudo começa.

Conhecendo essa mulher encantadora e, com isso, ambos tomando a decisão de viverem esse romance, olhares críticos e conflitos internos devido à diferença de idade são obstáculos que o casal encontra. Mas, o amor é imprevisível, ele simplesmente acontece e apenas amamos.

Felizes com essa nova etapa, juntos enxergam a vida por outra perspectiva. Gratidão, tristezas, angústias, alegrias e estranheza com o outro, que se mostra de maneira completa com a intimidade que se cria, além de muito amor, são alguns dos sentimentos que os acompanham nessa jornada.

Este livro nos faz rever preconceitos que muitas vezes pensamos ser a verdade apenas por ser algo que difere do comum normalizado: o amor entre uma mulher de sessenta anos e um homem de vinte e nove. Amor por puro interesse: interesse de ajudar, estar junto, de viver esse sentimento sem reservas e, com isso, a cada dia aprender um com o outro e ser/dar o melhor.

Pelas cortinas da idade, mesmo cristalizando certos estereótipos em alguns momentos, me fez (re)ver que a vida é melhor quando é compartilhada e crescemos um com o outro. Quando é para ser, apenas vai ser, no tempo certo, e o amor... Ah, o amor... Por mais que um dia venha a acabar, vale a pena ser vivido, pois é bom, ensina!











   
Post anterior
Livro: Na Minha Pele – Autor: Lázaro Ramos




 



Psicanalista Político
Boatos e Fake News
Resenhas Literárias
Futebol de Várzea
Opinião dos Parceiros
Divulgação Científica
 

Abertura
Editorial
Colunistas
Contato