Abertura   Editorial   Colunistas   Newsletter   Contato  
 
         
 
 
   
  ARTE E
CIÊNCIA
  LITERATURA
E POLÍTICA
  BASTIDORES
DO PODER
  REPORTAGENS
E ENTREVISTAS
  OPINIÃO DOS
PARCEIROS
  ENTRELINHAS
DE BRASÍLIA
  MEMES E
CHARGES
  VÍDEOS E
CURTAS
  LIVROS E
ARTIGOS
 
 
 

 

Blog Literatura e Política
por Felipe Pena


Felipe Pena é jornalista, psicólogo, roteirista e professor da UFF.

Doutor em literatura pela PUC, com pós-doutorado em semiologia pela Sorbonne, é autor de 15 livros e diretor do documentário "Se essa Vila não fosse minha". Visiting Scholar na New York University.

Foi sub-reitor da Universidade Estácio de Sá entre 1999 e 2004 e comentarista do Estúdio I, na Globonews, entre 2013 e 2015.

Escreve semanalmente no Jornal Extra.






Já se esqueceram da quadrilha de Temer ?
Por: Felipe Pena em 28/11/2017


A reforma da previdência já é tratada com pauta única do governo cujo chefe foi denunciado duas vezes pela procuradoria–geral da República. Mas que legitimidade tem um presidente que, entre outros crimes, responde por corrupção e formação de quadrilha? Como pedir que os brasileiros abram mão de seu sistema de seguridade social (este é o termo correto), enquanto os ocupantes do Planalto gastam bilhões para comprar deputados a fim de evitar o julgamento do líder da quadrilha?

Aqui no Rio de Janeiro a ilegitimidade é ainda maior. Basta lembrar que há três ex-governadores presos. E o quarto, Moreira Franco, só está fora da prisão porque recebeu o foro especial das mãos de Michel Temer. Além disso, funcionários não recebem salários, serviços públicos estão em estado de precariedade total e a universidade estadual quase fechou as portas.

O Rio de Cabral é o espelho do Brasil de Temer. Se tiver dúvidas sobre o elo entre eles, basta procurar um nome: Eduardo Cunha. O Coisa Ruim guarda as chaves do cofre e conhece toda a ficha criminal de seus chefes. Se resolvesse falar, seria possível recuperar bilhões de reais desviados pela corrupção.

Como isso não vai acontecer, é mais fácil tirar dinheiro do trabalhador para fechar as contas do governo. É mais fácil destruir a previdência. É mais fácil esquecer que o presidente é chefe de uma quadrilha.








Post posterior
Um governo no viaduto e a educação trajando luto
 
Post anterior
PSDB assinou seu atestado de óbito




 



Arte e Ciência
Literatura e Política
Bastidores do Poder
Reportagens e Entrevistas
Opinião dos Parceiros
Entrelinhas de Brasília
Memes e Charges
Vídeos e Curtas
Livros e Artigos

 

Abertura
Editorial
Colunistas
Newsletter
Contato